quarta-feira, janeiro 21, 2009

O telefone


Trinnn... Trinnn... O telefone tocou. Eu estava dormindo no sofá quando acordei assustado com o barulho. Levantei ainda muito sonolento, arrastando os chinelos pelo tapete da sala, até que depois de vários toques cheguei perto do aparelho. Atendi, mas era tarde. A ligação caiu. Tu, tu, tu... Sem bina, sem pressa, esperei que a pessoa ligasse novamente. “Se for importante liga novamente” pensei enquanto recostava na cadeira da mesa da sala de jantar próxima do telefone. Cadeira dura; em frente, uma janela que dava para o quintal. No quintal: plantas amareladas, uma frágil jabuticabeira que mal dava jabuticabas – está morrendo – e um chão coberto de uma grama maltratada e folhas secas. Meio da tarde. Três, cinco, sete minutos e eu olhando aquela paisagem que parecia pedir socorro. O telefone: mudo. Vez em quando, passava próximo à janela um pássaro qualquer, que num piscar fazia um giro e ia embora. Tic-tac, tic-tac... O tempo passando e eu observando atentamente o sutil balançar dos galhos e as folhas caídas que pareciam ensaiar um modesto balé rasteiro. Aquele ar seco. E o telefone: mudo. Talvez não fosse importante. Vendedor, ou engano, ou parente... “Voltar para o sofá.”, pensei. “E se tocar novamente?”, adiante com meu pensamento. “Devo ficar sentado aqui. Bem quieto. Gastando o mínimo de energia possível.”, concluí. O dia estava insuportavelmente quente. Fim de tarde, mas o sol parecia estar a pino. Um dia amarelo e quente. Mesmo vestido apenas com uma leve camiseta branca e um calção azul marinho sentia o suor escorrer pelo meu rosto. Litros... ãh... Fadiga. Cansaço. Morbidez. Enquanto o telefone não tocava, eu olhava para fora, para aquela paisagem enquadrada pela janela da sala. “Morrendo aos poucos.”, pensei. Na jabuticabeira, que mal sustentava as folhas em si, surgiram centenas de pontos pretos que a cobriram por completo, preta, como nunca havia ficado antes, fazendo contraste àquele dia amarelado, hepático; assim imaginei. Tudo estava lá. Parado. Sem sopros de vento, quase que imóvel. Imóvel... I’m... Móvel... Através daquela moldura enferrujada, como se rasgasse aquele quadro quase morte, um pequeno ponto de cor diferente, que dissolvia as centenas de pontos pretos que imaginava, surpreendeu-me. Um pequeno ponto marrom, quase um pedaço de casca de madeira, e saindo desse ponto fazendo um esforço incomum, um par de asas de cores fortes e vibrantes. Em meio aquela paralisia doentia, um pequeno ponto de fortes cores esforçando-se ao máximo para romper a prisão de fios de seda. Decidida, sem contenção de energia. Daquele casulo, pouco a pouco, foram saindo asas tão coloridas, tão contrastantes, que a paisagem amarelada pereceu perder-se no ar. Ufa! Em meio ao ar seco e o sol quente, após o máximo de esforço, saiu voando um par de pequenas asas delicadas, que se aproximaram da janela, assim como o passarinho, dando um sutil giro. Após girar, foi embora abandonando aquele quadro amarelado. Tic-tac, tic-tac... Trinnn... Trinnn... O telefone. Levantei-me ainda com a imagem da borboleta em minha cabeça e diante do telefone que tocava insistentemente pensei, “vendedor, ou engano, ou parente...”. De súbito, decidi não atender. Trinnn... Trinnn... Trinnn... Trinnn... “Asas coloridas que me levariam para longe dali”, pensei. Ignorei então o telefone e saí de casa, abandonando aquela paisagem amarela, contrastando como o dia parado.
.
.
[renato ribeiro]

Um comentário:

dilyn disse...

No início esperava ansiosa que o telefone voltasse a tocar para saber onde isso levaria, mas depois isso se torna o menos importante e tudo que quero é que ele não toque e não quebre a delícia do momento que você constrói e dá vontade de ficar ali, “morrendo aos poucos”...Abraços. Adélia Carvalho